Archive For July 3, 2018

Last Planner e Scrum: Uma Fundamentação Teórica dos Métodos

Last Planner e Scrum: Uma Fundamentação Teórica dos Métodos

A Teoria De Gerenciamento De Projetos: Explicação Para Novos Métodos

Em uma série de artigos anteriores, os autores têm explorado a fundamentação teórica sobre gestão de projetos. Neste trabalho, apresentamos a fundamentação teórica consolidada e a mais utilizada para explicar as características inovadoras de dois métodos de gerenciamento de projetos, os quais se desviam radicalmente da doutrina convencional de gerenciamento de projetos: Last Planner e Scrum. Ambos os métodos surgiram em meados dos anos 1990 como respostas práticas para o fracasso de métodos de gerenciamento de projetos convencionais, Scrum na área de projetos de software, Last Planner na área de projetos de construção. Mostra-se que ambos os métodos rejeitam a fundamentação teórica subjacente de gerenciamento de projeto convencional e, em vez disso, subscrevem, implícita ou explicitamente, teorias alternativas que melhor correspondem à situação em questão.

Autores: Lauri Koskela, Gregory Howell

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/a-teoria-de-gerenciamento-de-projetos-explicacao-para-novos-metodos/

 

 

Artigo: Prazo Agregado

Artigo: Prazo Agregado

 

Prazo Agregado: Análise de desempenho em prazos com medições do GVA

O Gerenciamento do Valor Agregado (GVA) é um sistema extraordinário de gerenciamento que integra, de uma forma muito intrigante, custo, prazo e desempenho técnico. No entanto, é um sistema cujos conceitos são difíceis de entender por quem está iniciando na área. O GVA mede o desempenho em prazo e custo, ou seja, dinheiro, não em unidades de tempo. Depois de superar esse obstáculo mental, se descobre outra peculiaridade do GVA: na conclusão de um projeto que está atrasado, a Variação de Prazo (VPR) é igual a zero, e o Índice de Desempenho em Prazo (IDP) é igual a um. Isso é estranho, pois o projeto terminou atrasado, mas os valores dos indicadores dizem que o projeto foi perfeito em termos de desempenho em relação ao prazo. Um executivo sênior que receba o relatório de desempenho do projeto, e que pouco conheça do GVA, não consegue entender porque seu cliente está irritado e grita: “O produto foi entregue atrasado!”. Este texto discute o dilema existente nos indicadores de prazos, VPR e IDP, do GVA. O artigo apresenta um método para solucionar o problema. Demonstra- se que o método resulta em indicadores de prazo que se comportam da mesma forma que os de custo.

Autores: Walt Lipke, Paulo André

Publicado: MundoPM – Fev/Mar 2014

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/prazo-agregado-analise-de-desempenho-em-prazos-com-medicoes-do-gva/

Projetos de Inovação Tecnológica Pré-Competitiva

Projetos de Inovação Tecnológica Pré-Competitiva

Projetos de Inovação Tecnológica Pré-Competitiva

Uma Abordagem para Estruturação Integrada de Projetos de Inovação Tecnológica Pré-Competitiva em Parceria com Instituições de Pesquisa. Um Estudo de Caso Indústria Aeronáutica.  LEIA MAIS…

Autores: Claudiano Sales Araujo, Daniel Moczydlower

Publicado: MundoPM – Jun/Jul 2017

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/projetos-de-inovacao-tecnologica-pre-competitiva/

 

 

Hackeando o Negócio: Strategic Design

Hackeando o Negócio: Strategic Design

Hackeando o Negócio: Strategic Design

O hacker digital ganha então uma plataforma infinita de possibilidades (para hackeamento) e a ética hacker parece então fazer sentido em outros campos que não o da programação. A começar pelo ativismo político. Curiosamente em julho de 2016 o aclamado MIT lançou o prêmio desobediência responsável, oferecendo R$ 250 mil dólares para projetos que desafiem as normas, regras e leis da sociedade – seria o hackeamento civil? Basta observar que entre 2010 e 2015 a primavera árabe promoveu via redes sociais uma mobilização sem precedentes da população oprimida em países como Egito, Tunísia, Líbia, Iêmen e Sudão, e que levou à derrocada de regimes autocráticos – aliás, essa foi a inspiração de Sam Esmail ao escrever e dirigir Mr. Robot.  LEIA MAIS…

Autor: André Ribeiro Coutinho

Publicado: MundoPM – Abr/Mai 2017

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/ed74-12/

 

 

Artigo: Design Project Risks

Artigo: Design Project Risks

Usando o conceito de vulnerabilidade

Considerando que o design de projeto evolui em ambientes complexos, normalmente eles enfrentam uma quantidade de riscos cada vez maior, mais variados e inter-relacionados. Portanto, os paradigmas tradicionais de gerenciamento de riscos de projetos devem ser complementados com novas abordagens orientadas ao pensamento sistêmico. Depois de definir o conceito de vulnerabilidade do projeto, este trabalho propõe uma descrição do processo de gerenciamento da vulnerabilidade do projeto e compara-o com o processo tradicional de gerenciamento de riscos do projeto, a fim de destacar os benefícios potenciais de uma nova abordagem sistêmica. Também propõe uma metodologia para analisar vulnerabilidades do projeto, decompondo-as em três níveis: valores, processos e elementos do projeto. Um modelo baseado em analogia estressor / receptor é a base para identificar e avaliar vulnerabilidades do projeto. Um índice simples agrega então os conceitos de resistência, resiliência e contribuição à criação de valor. Isso permite classificar vulnerabilidades do projeto para auxiliar na tomada de decisões. Finalmente é apresentado um estudo de caso que explica os benefícios da abordagem de vulnerabilidade no caso de um projeto no contexto da indústria farmacêutica, com o objetivo de projetar um sistema de apoio à decisão e sua organização de trabalho correspondente. LEIA MAIS…

Autores: Franck Marle, Ludovic-Alexandre VIDAL, Jean-Claude Bocquet

Publicado: MundoPM – Abr/Mai 2017

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/ed74-10/

 

 

Artigo: UNPC Innovativeness Model

Artigo: UNPC Innovativeness Model

Seleção de ideias e projetos inovadores para incubar baseada no usuário

 

Uma parte importante deste trabalho foi destinada a caracterizar um conjunto completo de indicadores de ideação e também isolar quais os fatores que promovem a inovação. Não obstante, esses indicadores de inovação são essenciais para a competitividade na inovação de negócios, como também para selecionar sementes promissoras de projetos de inovação. Neste artigo um conjunto completo de indicadores de inovação é proposto. O UNPC innovativeness model – usefulness, newness, profitability e (proof of) concept – foi testado e validado por um período de mais de 4 anos dentro dos maiores clusters de inovação da Europa, o Silver Valley. Foram selecionados quatro autênticos exemplos de inovação para análise. Eles ilustram como o modelo UNPC é capaz de prover um guia claro e eficiente para uma tomada de decisão melhor no contexto de inovação para idosos. Adicionalmente o diagnóstico primário do UNPC de um projeto de inovação serve também como um mapa para melhoria contínua ou de incubação de ideias e projetos promissores.  LEIA MAIS…

Autores: Bernard Yannou, Romain Farel, François Cluzel, Alexandre Bekhradi, Benjamin Zimmer

Publicado: MundoPM – Abr/Mai 2017

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/ed74-01/

 

 

Artigo: Avaliando Blockchain

Artigo: Avaliando Blockchain

 

Avaliando Blockchain: A Internet do Valor

O impacto da tecnologia blockchain nas atividades corporativas, inclusive projetos, é inevitável.

Nesse artigo, faço uma avaliação sobre a tecnologia blockchain numa perspectiva sobre suas origens e seu potencial, considerando casos de uso em serviços financeiros, novos modelos de negócios, internet das coisas e o comércio eletrônico peer-to-peer.  LEIA MAIS…

Autor: Don Tapscott
Don Tapscott é autor de 15 livros amplamente lidos sobre tecnologia nos negócios e na sociedade, incluindo The Digital Economy, Growing Up Digital e Wikinomics. Ele é o CEO do Tapscott Group e o Chanceler da Universidade de Trent e classificado pelo Thinkers 50 como o 4º mais importante pensador de negócios do mundo. Com seu filho, Alex Tapscott, ele é o coautor da Blockchain Revolution: como a tecnologia por trás do Bitcoin está mudando o dinheiro, os negócios e o mundo, e cofundador do Blockchain Research Institute, um grupo de reflexão que realiza 70 projetos sobre oportunidades e desafios em blockchain.

Publicado: MundoPM – Out/Nov 2017

Link para Artigo: http://projectdesignmanagement.com.br/produto/avaliando-blockchain-a-internet-do-valor/

 

 

Bryan Moser

Bryan Moser

Bryan Moser é professor no MIT – Massachusetts Institute of Technology e da Universidade de Tokyo. É CEO da GDP – Global Project Design, empresa proprietária da plataforma TeamPort™.

É formado em Computer Science & Engineering pelo MIT-USA, possui mestrado em Technology & Policy pelo MIT-USA, e doutorado em Sciences pela Universidade de Tóquio-Japão.

Recebeu algumas premiações, entre elas: Hugh Hampton Young Fellowship; Kayamori Best Automation Paper Award IEEE; Alumni Award For Excellence In Technology And Policy M.I.T.; Karl Taylor Compton Award M.I.T.  (http://www.mit.edu/~bry/)

Bryan Moser founded Global Project Design in 1999 to transform performance by teams struggling with complex initiatives and systems.

Prior to GPD, for a decade with United Technologies Corporation (UTC), Bryan established strategy, plans, and operations for UTC’s strategic collaboration across Asia with industrial partners, universities, and national R&D programs. Bryan was also a researcher at the University of Tokyo (Department of Precision Machinery Engineering). He formed a team focused on theory, method, and tools for the coordination of complex, global projects. In the late 1980’s Bryan was one of the first foreign engineers at Nissan Motor Corporation in Japan. At Nissan he applied artificial intelligence to computer-aided design, multi-objective optimization, and robotic control problems.

Bryan is currently a Lecturer in System and Project Management at Massachusetts Institute of Technology (MIT). He earned a doctorate in the Graduate School of Frontier Sciences at the University of Tokyo, where he now leads multi-disciplinary research on complex socio-technical systems. He supports the Information and Communication Technology (ICT) program at the University of Denver as an adjunct faculty member. Earlier, he earned degrees from MIT in Computer Science and Engineering (bachelors) and Technology & Policy (masters). At MIT he received the Karl Taylor Compton Award, Hugh Hampton Young Fellowship and Alumni Award for Excellence in Technology and Policy.

GPD’s Project Design methods and tools have been demonstrated in aerospace, automotive, petrochemical, construction, telecom, financial, clinical studies, software, I.T., and global services. http://www.gpdesign.com/cases.html

 

Alexander Laufer

Alexander Laufer

 

Alexander Laufer is the director of the Consortium for Project Leadership at the University of Wisconsin-Madison. He has served as the editor-in-chief of the NASA Academy of Program and Project Leadership Magazine, Academy Sharing Knowledge, and as a member of the advisory board of the NASA Academy of Program and Project Leadership. He has also served as the director of the Center for Project Leadership at Columbia University.

In recent years, many researchers have concluded that one reason for the widespread poor statistics of project results is the wide gap between research and practice. The overall objective of Laufer’s research was to develop a practice-based theory of project management. To this end, he collected firsthand data on the practices of project managers, and believing that management is best learned by emulating exemplary role models, he studies focused on the best practitioners in their respective organizations.

Alex has significant consulting experience and has worked with a number of leading organizations including Boldt, Motorola, NASA, Parsons Brinckerhoff, Procter & Gamble, Skanska, and Turner Construction Company. Laufer is also the co-author of a monthly blog: Living Order: On becoming a project leader, http://living-order.blogspot.co.il/ 

Alex Laufer is the author or coauthor of six books; the two most recent ones are Mastering the Leadership Role in Project Management: Practices that Deliver Remarkable Results (FT Press, 2012) and Breaking the Code of Project Management (Macmillan, 2009). Currently, Alex Laufer together with three other co-authors are working on a new book: Becoming A Project Leader: Blending Planning, Agility and Resilience.

Sobre o livro dos autores: Becoming a Project Leader: Blending Planning, Agility, Resilience, and Collaboration to Deliver Successful Projects, written by Alexander Laufer, Terry Little, Jeffrey Russell, and Bruce Maas, will be published in the fall of 2017 by Palgrave Macmillan.

 

Link para Artigos: http://projectdesignmanagement.com.br/?s=Laufer

 

References

  1. Daft, R.L. and Lengel, R.H. Fusion Leadership: Unlocking the Subtle Forces that Change People and Organizations. 1998, San Francisco, CA: Berrett-Koehler Publishers.
  2. Collins, J. and Hansen, M.T. Great by Choice: Uncertainty, Chaos and Luck-Why Some Thrive Despite Them All. 2011, New York: Random House.
  3. Weick, K.E. Drop your tools: On reconfiguring management education. Journal of Management Education 2007; 31(1): p. 5-16.
  4. Flores, T. Earthly Considerations on Mars. Ask Magazine 2003; 51: p. 5-8.

 

Go Top